segunda-feira, 22 de maio de 2017

Opinião de leitor: Treze anos para sempre, Marion!

Uma história verídica que nos alerta para o Bullying e Ciber-bullying. 

Marion, uma menina de 13 anos, aparentemente uma criança feliz, boa aluna e sem problemas de comportamento na escola, aparece enforcada no seu próprio quarto. A mãe, que a encontra, fica sem saber o que pensar e sem um motivo aparente para tal tragédia.

Os relatos feitos na primeira pessoa pela Mãe, descrevem a luta de uns pais que não têm qualquer justificação para o acto da sua filha mais velha.

Desengane-se quem achar que tem uma relação aberta e sem segredos com os filhos adolescentes ou mesmo mais novos. É um relato preciso de que, mesmo com uma relação muito sincera e aberta com os nossos filhos, tudo pode cair em segundos e o sentimento de culpa recai sempre sobre nós.

É um alerta muito preciso que nos mostra que ninguém está preparado para passar por uma situação destas… Os momentos de raiva, os momentos de luto, os momentos de dúvida, são bem demonstrados pelas palavras da Mãe.

O Bullying e Ciber-bullying é um problema que nos assombra todos os dias, e por mais que o assunto seja abordado nas escolas, continua a fazer vitimas e a estragar uma fase do crescimento dos nossos filhos que é essencial para o seu desenvolvimento. É triste que, ainda hoje, existam escolas, professores, directores e auxiliares que desvalorizam estes comportamentos de determinados grupos de crianças e que evitam falar sobre o mesmo.

Acho que este livro deveria ser debatido em todas as escolas e de Leitura Obrigatória para todos os alunos, pais e educadores.

Alexandra Novais

“Quando perdemos um filho, quaisquer que sejam as causas da sua morte, temos a tendência de lhe consagrar todo o nosso tempo, toda a nossa energia, todos os nossos pensamentos. Com mais razão ainda se a causa da morte for um mal que podemos identificar, que teríamos podido evitar, e que sentimos como um assassínio.”

Leia, porque ler é um prazer!

Livro disponível para empréstimo na Rede de Bibliotecas do Concelho de Arganil

quarta-feira, 17 de maio de 2017

Novidade na Biblioteca: Fruta deliciosa de James Hannaham

Lisboa: Relógio D'Água, 2016
ISBN 978-989-641-648-5
Vencedor do Prémio Pen/Faulkner Ficção 2016
Darlene, uma viúva e mãe devastada pela inesperada morte do marido, refugia-se nas drogas para fugir ao trauma. Toldada pela dor, é atraída para uma misteriosa quinta, gerida por uma empresa de cariz duvidoso, com a promessa de um trabalho ─ com consequências desastrosas tanto para si como para o seu pequeno filho, Eddie.

Fruta Deliciosa conta a história de três personagens inesquecíveis: uma mãe, o seu filho e a droga que ameaça destruí-los. Na luta de Darlene para se reunir com o filho, nos esforços de ambos para triunfar sobre aqueles que os escravizariam e na voz da droga que narra as angústias de Darlene, a prosa corajosa de Hannaham contagia as circunstâncias desesperadas das suas personagens com humor. Mas lida também com questões intemporais como o amor e a liberdade, o perdão e a redenção, a determinação e a vontade de sobreviver.

Fonte: contracapa do livro


Livro disponível para empréstimo na Biblioteca Municipal de Arganil.

Leia, porque ler é um prazer!

quarta-feira, 10 de maio de 2017

Adeus a Armando Baptista-Bastos

Armando Baptista-Bastos nasceu em Lisboa a 27 de Fevereiro de 1934, e faleceu esta terça-feira, dia 9 de Maio. Frequentou a escola de Artes Decorativas António Arroyo e o Liceu Francês.

Iniciou a sua carreira jornalística em “O Século”, mas foi ao serviço do “Diário Popular” – onde trabalhou durante vinte e três anos (1965-1988) – que haveria de conquistar maior notoriedade, sobretudo em géneros como a entrevista e a reportagem.

Torna-se mais conhecido do grande público pelas entrevistas realizadas na SIC entre novembro de 1996 e janeiro de 1998. Nessas “Conversas Secretas”, fazia a todos os convidados a pergunta "onde é que estavas no 25 de Abril?", o que seria mais tarde glosado por Herman José no programa "Herman Enciclopédia".

Publicou mais de uma dezena de títulos de ficção, entre os quais "O Secreto Adeus" (1963), "Cão Velho entre Flores" (1974), "O Cavalo a Tinta da China" (1995), "A Colina de Cristal" (2000) e "No Interior da Tua Ausência" (2002).

Ao longo da carreira, o autor conquistou vários prémios, designadamente, o Prémio Literário Município de Lisboa, em 1987, pelo romance "A Colina de Cristal", que lhe valeu também o Prémio P.E.N. Clube Português de Ficção, no ano seguinte.

Em 2002, recebeu o Prémio da Crítica do Centro Português da Associação Internacional de Críticos Literários, pela obra "No Interior da Tua Ausência". Em 2003, venceu o Grande Prémio de Crónica da Associação Portuguesa de Escritores pelo livro "Lisboa Contada pelos Dedos".

Em 2006, recebeu os prémios de Crónica da Sociedade da Língua Portuguesa, João Carreira Bom, e do Clube Literário do Porto.

Fonte:  http://expresso.sapo.pt/sociedade/2017-05-09-Morreu-Baptista-Bastos


Para saber mais consulte:

quinta-feira, 4 de maio de 2017

Novidade na Biblioteca: Rumo a casa de Yaa Gyasi

Presença, 2017
ISBN 978-972-23-5977-1
Effia e Esi, as protagonistas do romance de estreia de Yaa Gyasi, jovem escritora norte-americana nascida no Gana, são meias-irmãs, nasceram em aldeias diferentes e vão partilhar o destino no mesmo espaço, mas com sortes diferentes.

A autora constrói uma história situada na época colonial, em que Effia consegue casar-se com um inglês e Esi acaba por viver no mesmo castelo que a irmã habita com todo o conforto, mas confinada a uma masmorra.

As duas linhas de descendência, com os seus episódios íntimos, belos e dramáticos, mostram-nos a história da escravatura e da cultura afro-americana nos continentes africano e americano até à atualidade, lado a lado num fio que une o passado e o presente.


A estreia literária de Yaa Gyasi, nascida em 1989, arrebatou a crítica e os leitores, tornando a autora numa das vozes mais promissoras da atual literatura norte-americana.

Fonte: JL e contracapa do livro


Gostou? Pode requisitar o livro na Biblioteca Municipal de Arganil.

Leia, porque ler é um prazer!

quarta-feira, 3 de maio de 2017

Livro do mês: O primeiro homem de Albert Camus

 

Nascido nos bairros operários de Argel, Argélia, a 7 de novembro de 1913, Albert Camus foi galardoado ainda novo com o Nobel da Literatura. Tinha apenas 44 anos quando foi distinguido.

Com o futuro pela frente, menos de dois anos passados, a 4 de janeiro de 1960, o escritor morreu num acidente de automóvel, em França. Apesar do seu desaparecimento precoce, é hoje um dos maiores nomes da literatura francesa e mundial, pelo seu pensamento visionário e um caminho excepcional.

Com oito milhões de cópias vendidas, "O Estrangeiro", primeiro livro publicado em 1942 e traduzido em 40 línguas, é o seu best-seller absoluto.

O último e inacabado livro de Camus, “O primeiro homem”, publicado apenas em 1994, é um romance autobiográfico.

O romance inicia-se com o nascimento de Jacques Cormery (leia-se Albert Camus), facultando depois preciosas informações acerca da infância do escritor na Argélia. Ao longo das páginas do livro desenrola-se uma história colorida, mas também uma confissão que emociona. Aos olhos do leitor surgem, assim, as raízes da personalidade de Camus, da sua sensibilidade, da génese do seu pensamento.

Para saber mais consulte:


Livro disponível para empréstimo na Biblioteca Municipal de Arganil.

Leia, porque ler é um prazer!

segunda-feira, 1 de maio de 2017

Um poema de Goethe: Festa de Maio

Festa de Maio

Toda a Natureza
Em esplendor me acena!
Como brilha o Sol
E ri a campina!

E em todos os ramos
Há festa de flores
E enchem os arbustos
Vozes aos milhares,

E há em cada peito
Volúpia e prazer.
Oh Terra, oh Sol,
Oh sorte a sorrir,

Oh amor, amor,
Belo como oiro,
Qual nuvem na aurora
Sobre aquele outeiro,

Pelos campos frescos
Esparzes teus favores,
E espalhas pelo mundo
Fragrância de flores!

Oh moça, tão moça,
Como te amo eu!
O brilho em teus olhos
Diz-me que sou teu!

Ama a cotovia
O ar livre, o canto;
E as flores da manhã
Odores do céu – tanto

Como eu te amo a ti
Com meu sangue ardente,
A ti, que me dás
Juventude, alento,

E o prazer de novas
Danças e cantares.
Feliz sejas, tanto
Quanto tu me amares.

Obras escolhidas de Goethe: poesia
Lisboa: Círculo de Leitores, 1993
trad. João Barrento

Livro disponível para empréstimo na Biblioteca Municipal de Arganil

sexta-feira, 28 de abril de 2017

Sugestão de leitura: O pranto de Lúcifer de Rosa Lobato de Faria

"O Pranto de Lúcifer", editado originalmente em 1995, foi a estreia literária de Rosa Lobato de Faria, e narra a saga de uma família que se guia pela arte e pelo amor, contada pela mais nova de quatro irmãs, Bernardette.

Bernardette, que cresceu correndo Portugal de lés a lés com os pais, autênticos saltimbancos que tanto apresentavam espectáculos de Almeida Garrett como um número em que Marinela, a mãe, parecia morta. Bernardette relata como foi viver na corda bamba nessa viagem constante, rica em aventuras e imprevistos, mas sempre precária. Foi do pai que herdou a capacidade de sonhar, de encarar a vida e o mundo de forma idílica, mas até que ponto é possível conciliar o sonho com a vida?

“O Pranto de Lúcifer” é um romance simultaneamente divertido e dramático, cruel e poético.



Excerto da obra
 Para saber mais sobre a autora e a sua obra consulte:



Livro disponível para empréstimo na Biblioteca Municipal de Arganil.

Leia, porque ler é um prazer!